CONVERSA FIADA NÃO

Novamente o setor patronal vem com seus velhos e surrados argumentos, é sempre o lucro pelo lucro.
A conversa que ouvimos nos últimos anos foi a da existência de empresas dedicadas a priorizar Projetos Sociais. Pura balela, mentira. O discurso da responsabilidade social foi apenas mais uma maneira de enganar os trabalhadores, pois uma das empresas que faz este tipo de propaganda foi a que mais demitiu nos últimos anos, terceirizando todos os seus serviços. É a campeã de reclamações dos consumidores no setor de telefonia.
Quando o empresário tem grandes lucros ele se nega a fazer a distribuição dessa renda via PLR. Por outro lado, quando se anuncia qualquer possibilidade de crise, lá vem a fúria pela demissão, a falácia da flexibilização de direitos, entre outras ameaças.
Temos ouvido e lido que dirigentes sindicais têm se reunido com o setor patronal (nada contra essas reuniões). Entendo que temos de nos reunir e debater o que está ocorrendo em cada setor.
Agora, simplesmente propor um modelo geral para enfrentar a crise, com a flexibilização de direitos ou redução de salários, isto é uma falácia, isto não é debate, isto é entregar os companheiros para a forca.
Nós, representantes dos Agentes Autônomos do Comércio, não autorizamos ninguém a falar pelo setor, seja Central, seja Confederação. Quem vai tratar das questões de nossa representação são os nossos sindicatos, é a nossa Federação, ouvindo a classe trabalhadora.
Quando se trata de uma questão que envolve salários, que envolve os ganhos do trabalhador, não deve haver apenas e tão somente um simples entendimento proposta pelas entidades, mais sim devem ser ouvidos os sindicatos, cada um deles, e cada um de seus representados.
Além do que, não podemos misturar todos os setores, pois cada um tem seus interesses, tem sua estrutura, cada qual sentirá a crise de uma maneira.
Os trabalhadores e os sindicatos não podem aceitar que exista uma negociação geral como modelo, pois cada empresa, cada setor, tem sua realidade econômica e funcional.
Quando lucraram as empresas não fizeram um modelo geral de distribuição de lucro, negociado pelas suas Confederações e Federações. Mas sempre trataram desta questão empresa por empresa. Agora, na hora da crise, o problema deveria ser tratado da mesma forma, empresa por empresa. O modelo único é, no mínimo, um erro.
Cada empresa deve negociar mostrando seus balanços, mostrando seus contratos, abrindo o caixa. Essa conversa de todos se esconderem por meio de reuniões tripartites é pura enganação.
Portanto, cada qual cuida da sua categoria. Podemos estar juntos na luta pela manutenção do emprego, pela não flexibilização dos direitos e pelo respeito à classe trabalhadora.
Estaremos juntos para exigir do governo que explique para quem está sendo dado o dinheiro público, muitas vezes usado para pagar os prejuízos causados por péssimos empresários e executivos, muito bem remunerados, e que continuam com as suas benesses, não abrem não de seus ganhos e pro labores, mas querem tirar os direitos dos trabalhadores. Esses maus empresários agora se socorrem do dinheiro público para se salvarem de sua própria incompetência.
Temos de estar juntos para exigir do nosso maior banco público explicações sobre a compra de 50% do banco de uma família milionária, que tinha um de seus diretores todos os domingos criticando a baixa escolaridade dos trabalhadores, como se todos nós fôssemos incompetentes no exercício de nossas atividades, sem levar em consideração a falta de investimento e de aceso à boa educação, das quais nosso povo é vítima há décadas.
Será que esses senhores não foram incompetentes na administração do banco e das empresas da família que estão liquidando? Será que se socorrem do dinheiro público como única maneira de salvação? Será que o título de Doutor que todos da família detêm não foi obtido com o número suficiente de horas-aula?
De conversa fiada estamos cheios. Nós queremos ver os números das empresas, saber a verdade sobre a crise, como cada uma é afetada. Sem isto não tem papo.

Lourival Figueiredo Melo
Presidente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − três =