1° DE MAIO: NADA A COMEMORAR, MUITO A REIVINDICAR.

O Dia do Trabalhador é celebrado anualmente no dia 1º de Maio em numerosos países do mundo, sendo feriado no Brasil, em Portugal, assim como em muitos outros países. No Brasil também chamado Dia do Trabalho.

Dia do trabalhador

Em 1886, realizou-se uma manifestação de trabalhadores nas ruas de Chicago nos Estados Unidos da América.
Essa manifestação tinha como finalidade reivindicar a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e teve a participação de milhares de pessoas. Nesse dia teve início uma greve geral nos EUA. No dia 3 de Maio houve um pequeno levantamento que acabou com uma escaramuça com a polícia e com a morte de alguns manifestantes. No dia seguinte, 4 de Maio, uma nova manifestação foi organizada como protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores, tendo terminado com o lançamento de uma bomba por desconhecidos para o meio dos policiais que começavam a dispersar os manifestantes, matando sete agentes. A polícia abriu então fogo sobre a multidão, matando doze pessoas e ferindo dezenas. Estes acontecimentos passaram a ser conhecidos como a Revolta de Haymarket.
Três anos mais tarde, a 20 de Junho de 1889, a segunda Internacional Socialista reunida em Paris decidiu por proposta de Raymond Lavigne convocar anualmente uma manifestação com o objetivo de lutar pelas 8 horas de trabalho diário. A data escolhida foi o 1º de Maio, como homenagem às lutas sindicais de Chicago. Em 1 de Maio de 1891 uma manifestação no norte de França é dispersada pela polícia resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo drama serve para reforçar o dia como um dia de luta dos trabalhadores e meses depois a Internacional Socialista de Bruxelas proclama esse dia como dia internacional de reivindicação de condições laborais.
Em 23 de Abril de 1919 o senado francês ratifica o dia de 8 horas e proclama o dia 1 de Maio desse ano dia feriado. Em 1920 a Rússia adota o 1º de Maio como feriado nacional, e este exemplo é seguido por muitos outros países. Apesar de até hoje os estadunidenses se negarem a reconhecer essa data como sendo o Dia do Trabalhador, em 1890 a luta dos trabalhadores estadunidenses conseguiram que o Congresso aprovasse que a jornada de trabalho fosse reduzida de 16 para 8 horas diárias.

Não temos nada a comemorar, mas muito a reivindicar, como melhores condições de trabalho, com mais segurança e respeito às normas de Segurança e Medicina do Trabalho, Jornada de Trabalho dentro da legislação e melhores salários.

Não podemos continuar a assistir o abuso com excesso de jornada de trabalho utilizando do criminoso e famigerado Banco de Horas com Jornada ultrapassando os limites mínimos já previstos em lei. Isto tem gerado o aumento dos acidentes de trabalho e doenças profissionais além da desassociação da família.

Falar dos baixos salários é coisa de nossa luta diária pois é difícil lidar com empresários que querem somente saber de lucro e nos tratam apenas como número. Somos seres humanos e merecemos respeito.

PORTANTO NO DIA 1° DE MAIO NOSSO GRITO DE ALERTA: VAMOS NOS UNIR EM DEFESA DA CLASSE TRABALHADORA!

NÃO TEMOS A COMEMORAR, MAS MUITO A REIVINDICAR.

LOURIVAL FIGUEIREDO MELO
PRESIDENTE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − dois =