O Confronto está armado

Temos verificado nos últimos meses uma série de denúncias que envolvem os senhores senadores da República. Denúncias que já passaram também pela Câmara Federal e que não têm faltado em várias cidades contra políticos locais.

Para algumas pessoas pode parecer que estas coisas servem apenas a manchetes de jornais e como parte de programas jornalísticos ou de humor. Que tudo terminará em pizza.

Poderá terminar em pizza a punição aos velhos e tradicionais corruptos que se mantêm próximos do poder independentemente de quem seja o presidente e de qual partido pertença.

A grande verdade: é muito triste verificar que alguns políticos que tiveram expressiva votação, assim como seus partidos, estejam hoje em situação tão antagônica ao que pregavam – que seriam éticos defensores da moralidade e lutariam pela exclusão dos carcomidos políticos como Sarney, Renan, Collor e outras pragas da Política Brasileira.

Hoje são parceiros da imoralidade que tomou de assalto alguns partidos e políticos brasileiros. Os moralistas do passado hoje fazem o triste papel de defensores de quem já chamaram no mínimo de “corruptos”.

E pedem para a sociedade respeitar a história desta gente. De que história eles falam? Das negociatas? Das bravas do coronelismo? Dos marajás? Ou da vida bandida, sempre envolvida em corrupção? Esta gente não tem currículo. Esta gente tem folha corrida e muito suja.

Enquanto tudo isso ocorre na política brasileira, e com a falta de políticas públicas e de seriedade dos políticos para com a saúde, educação e habitação, nos tornamos reféns dos donos do tráfico.

Estes vêm dominando a sociedade e invadindo todas as camadas sociais, tomando conta de vários bairros e fazendo vítimas os jovens, como usuários ou empregados, quando não assassinados friamente.

Está instalado o confronto: de um lado políticos corruptos; de outro a invasão do tráfico de drogas. A sociedade fica no meio desta triste e lamentável guerra.

Lourival Figueiredo Melo
Presidente da FEAAC

Peço licença para reproduzir neste espaço artigo de Marco Antonio Villa publicado na Folha de São Paulo de 27 de julho de 2009. Faço minhas suas palavras.

Lourival Figueiredo Melo

Presidente da FEAAC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezoito =